Como começar a estudar para concursos (do jeito certo!) – 5 passos essenciais

Reading time: 19 minutes

Começar a estudar para concursos públicos pode parecer uma tarefa intimidante. Porém, acredite em mim quando eu digo: ser aprovado para o cargo público dos seus sonhos não é algo tão complicado quanto pode parecer. Neste artigo eu revelarei 5 dicas absolutamente essenciais para quem deseja começar os estudos com o pé direito – sem cometer alguns erros banais que acabam atrasando muito os candidatos iniciantes.

Como você provavelmente já sabe, todos os anos uma enorme quantidade de brasileiros começa a estudar para concursos públicos. Mas igualmente grande é a quantidade de pessoas que desistem da tarefa.

Muitos abandonam a missão depois de poucos meses… e outros abrem mão do objetivo em menos tempo ainda, quando mal acabaram de começar. Mas por que isso acontece? Qual é o motivo para uma “taxa de desistência” tão alta?

É simples: as pessoas se sentem perdidas e intimidadas quando começam a perceber a aparente “complexidade” que existe na missão de ser concurseiro.

Tudo bem, eu entendo: é verdade que o mundo dos concursos sofre com um “excesso de informação”. Apenas para começar, nós temos que lidar com a quantidade de matérias a estudar, a variedade de opções de carreiras, as inúmeras “dicas” contraditórias disponíveis pela internet afora, isso para não falar na confusão que é provocada pelas inúmeras notícias (nem sempre verdadeiras) que saem constantemente na mídia.

É natural que tudo isso seja intimidante para quem está apenas começando a estudar – acompanhar tantas informações de uma só vez pode parecer um desafio e tanto.

Porém, é importante que você saiba: grande parte dessa dificuldade é uma ilusão provocada por um fator muito simples: a ausência de direcionamento. Por isso, se você está no início da sua jornada concurseira, siga atentamente nesta leitura; e caso você já esteja “na estrada” há mais tempo, mas ainda sinta que seu estudo não vem evoluindo como deveria, continue lendo também. Você está prestes a entender alguns ajustes que precisam ser feitos na sua preparação para que você consiga acelerar na direção da posse no seu cargo público de escolha.

Cuidado: não desista cedo demais

Vou te contar um segredo: embora o início do estudo para concursos possa ser assustador, tudo começa a ficar mais simples quando você começa a descobrir os caminhos do mundo concurseiro. Foi isso que eu percebi quando, depois de enfrentar muita dificuldade no início da minha preparação, ao invés de simplesmente desistir, eu decidi passar a ter um foco maior na minha estratégia de estudo.

Hoje sou servidor público federal, e isso já diz tudo: a escolha de insistir e superar as “dificuldades iniciais” de uma preparação para concursos públicos vale muito a pena.

Por isso, eu definitivamente não quero que você desista cedo demais: você pode acabar jogando fora um futuro que estava perfeitamente dentro do seu alcance, apenas por um motivo que já citei: ausência de direcionamento. Assim, para que a sua preparação já possa começar “com o pé direito”, eu separei algumas informações que eu gostaria de ter recebido quando comecei a estudar, e que teriam tornado o meu caminho muito mais fácil. Vamos começar.

Começar a estudar para concursos não precisa ser difícil

DICA Nº1 – Ao começar a estudar para concursos, cuidado com as orientações que você vai receber por aí

O primeiro item da nossa lista não é uma dica de estudo, mas é tão importante quanto. Para começar a estudar da maneira correta, é fundamental que você esteja ciente disso: você receberá muitos conselhos ruins sobre como estudar para concursos públicos.

E o pior de tudo é que eu não estou falando somente daqueles seus parentes que te dirão, nos churrascos da família, que “concurso público só depende do número de horas que você passa sentado na cadeira”, ou “para passar em concurso você precisa abrir mão de tudo na sua vida”. Na verdade, dicas igualmente horríveis são rotineiramente fornecidas por pessoas que fazem parte do “meio concurseiro”.

Por exemplo: nos fóruns e nos grupos de Facebook, vários “concurseiros experientes” adoram transmitir “dicas” altamente questionáveis aos alunos recém-chegados. E o pior: até mesmo professores podem acabar distribuindo “orientações” que mais servem para desorientar o aluno.

Não me entenda mal; existem bons professores, e também bons concurseiros que se dispõem a ajudar os candidatos novatos. Mas é fundamental que você esteja ciente de uma coisa: para navegar no ambiente concurseiro, online ou na vida real, você terá que aprender a filtrar muito bem as informações que chegam até você.

Mas fique tranquilo, pois eu estou aqui para te ajudar nessa tarefa. Logo abaixo, separei algumas abobrinhas campeãs de audiência, para que você não caia nelas. Vamos lá:

Abobrinha nº 1: “Concurso público se resume a foco, determinação e resistência ao sofrimento”.

A verdade: seu resultado nos concursos públicos depende primordialmente da aplicação de uma boa estratégia de estudo. “Determinação” só produz resultado se a sua estratégia fizer sentido; e o “sofrimento” da maioria dos concurseiros é provocado justamente pela falta de uma boa estratégia.

No ambiente dos concursos, você verá muitas pessoas glorificando o sofrimento e incentivando certas condutas, como ficar sem dormir e parar de sair de casa para estudar 24 horas por dia. Muitos concurseiros tendem a acreditar que essa atitude é sinônimo de “dedicação” e “determinação”.

Porém, saiba que nada disso é verdade. Esse tipo de postura, que valoriza a ideia de “estudar mais horas por dia a qualquer custo”, é apenas uma tentativa de compensar a própria ineficiência do candidato nos estudos. Candidatos que possuem um excelente método não precisam sacrificar a própria saúde física e mental para atingirem um excepcional nível de preparação.

Portanto, jamais acredite que você precisa se levar até o limite do sofrimento para ser aprovado. Concentre-se em construir a sua estratégia de estudos; isso permitirá que a sua preparação seja marcada pelo equilíbrio entre o estudo e o seu bem-estar físico e mental – e essa, sim, é a chave da aprovação.

Abobrinha nº 2: “Concurso público se resume à quantidade de tempo que o candidato passa sentado na cadeira estudando”.

Essa abobrinha já foi parcialmente refutada no último tópico, mas vamos nos expandir nesse assunto.

Antes de mais nada, já vou dizer: se a quantidade de horas de estudo realmente fosse o principal fator para a aprovação de alguém, não existiriam tantos casos quanto este aqui:

Começar a estudar para concursos - a quantidade de horas por dia não é o principal
A questão de “quantas horas estudar por dia” não é tão simples de ser respondida. (Clique na foto para ir para o Instagram do Mapa).

Provavelmente você conhece pelo menos um caso parecido com o da figurinha acima; e se não conhece, tenha cuidado para não acabar como o bonequinho da direita da figura.

Como vimos na Abobrinha nº 1, a definição da estratégia de estudo é o principal fator para a aprovação de um candidato. Logo, é natural que um estudo ineficiente traga maus resultados – e não importa quantas horas por dia você dedique a isso.

Pequenos erros banais, muito simples de serem evitados, acabam “roubando” o desempenho de mais de 95% dos candidatos – e aí, eles ficam boquiabertos quando um colega bem mais ocupado, que trabalha fora e tem filhos para criar – ou simplesmente é menos estudioso mesmo – consegue ser aprovado no concurso, dedicando um número bem menor de horas por dia.

A verdade é dura, mas eu a direi: em qualquer concurso público que você prestar, alguém conseguirá ser aprovado depois de estudar bem menos que você. E quando isso acontecer, não adianta colocar a culpa no azar ou inventar teorias da conspiração. A explicação para isso é uma só: o seu concorrente não estudou mais do que você… mas ele estudou melhor. Fim de papo.

Portanto, desde o começo da sua preparação, esteja ciente de uma coisa: não há como vencer a disputa apenas tentando estudar mais horas por dia do que os concorrentes. A chave da aprovação está na escolha da sua estratégia de estudos.

Portanto, defina a sua carga horária da maneira mais realista possível. Você é a única pessoa que sabe quais possibilidades se encaixam na sua rotina, e quanto tempo você consegue estudar com qualidade todos os dias.

Aliás, é importante nos lembrarmos de que a sua carga horária mudará ao longo dos meses – afinal, você não é um robô. Desde já, saiba que isso é perfeitamente normal, e acontece com todos os candidatos. Eu e meus colegas de serviço público podemos confirmar esse fato.

E não há problema algum nisso: três horas estudadas com estratégia e direcionamento valem muito mais do que 8 horas lendo apostilas a esmo.

Quando você entende pequenas verdades como essa, fica mais fácil superar um outro grande problema que se chama… medo da concorrência.

DICA Nº2 – Sem medo da concorrência!

Quando começamos a estudar para concursos, é comum ficarmos assustados com a quantidade de concorrentes que temos – a famosa relação de “candidatos por vaga“. Todos conhecem a sensação de desespero que bate quando vemos que o nosso tão sonhado cargo público terá algumas centenas – ou milhares – de candidatos disputando cada uma das vagas.

Porém, hoje eu estou aqui para te tranquilizar quanto a isso: de todas as variáveis que existem na vida de um concurseiro, o número de candidatos por vaga é a mais irrelevante. A verdade é bastante animadora: é que, em geral, os seus concorrentes não fazem ideia do que estão fazendo.

Para início de conversa, como revela o link que postei no parágrafo acima, grande parte dos inscritos sequer comparece no dia do concurso – normalmente, algo em torno de 30% deles acaba deixando de fazer a prova.

E as boas notícias não param por aí: mesmo dentre aqueles que comparecem, uma enorme parcela deles mal sabe o básico sobre o concurso que se propuseram a prestar.

É assustadora a quantidade de pessoas que acham que é possível ser aprovado “na sorte”, e que consideram viável “dar uma estudada e fazer a prova para ver qual é”.

Quando eu estava na porta do local de prova do meu concurso, eu conversei com um candidato que não sabia quais matérias seriam cobradas na prova. Ao ouvir a conversa dos colegas ao redor, ele perguntou, horrorizado: “Como assim, vai cair informática na prova de hoje?

Ou seja: se, além de comparecer às provas, você se dá ao trabalho de saber quais matérias serão cobradas, meus parabéns: você já é um candidato acima da média.

Mas é claro que isso ainda não garante a sua aprovação.

Não basta fazer esforço

E por último, depois de eliminarmos os candidatos “ausentes” e os “turistas” (os que estão ali somente a passeio), ainda sobra uma grande quantidade de pessoas que levam o concurso a sério, e se esforçam bastante para conseguir a aprovação.

Aqui eu tenho mais uma boa notícia: embora muitos candidatos se esforcem, a maior parte deles não sabe se preparar para concursos de forma correta. Afinal, como você já entendeu, não é qualquer tipo de esforço que produz bons resultados na vida de um concurseiro. Existem muitas maneiras equivocadas de se estudar: lembre-se de que, não por acaso, o primeiro item da nossa lista é “Cuidado com as orientações que você vai receber por aí“.

Você ficará feliz em saber: superar esses candidatos meramente “esforçados” é pouco mais difícil do que vencer os candidatos ausentes e os turistas. Se você decidiu que, a partir de hoje, a sua metodologia de estudo se concentrará no aprimoramento da sua estratégia, e não simplesmente em estudar o máximo de horas que você conseguir, pode ter certeza: em alguns meses, você terá superado todos aqueles candidatos que se esforçam, mas sem direção. E acredite: eles são muitos. (Lembre-se de que candidatos desse tipo também estão nas redes sociais distribuindo conselhos – cuidado para não segui-los).

Afinal, um pequeno esforço feito com inteligência vale muito mais do que um enorme esforço aplicado sem estratégia.

E por falar em estratégia…

DICA Nº3 – Cuidado com os cursos preparatórios

Quando eu comecei a estudar para concursos, eu procurei o melhor curso presencial da minha cidade. Eu acreditava que eles não me ensinariam somente as matérias, mas também me dariam uma direção- uma “assessoria”, por assim dizer – a respeito da forma como eu deveria me preparar para o meu concurso.

Tudo ilusão.

Cursinhos podem, sim, te ajudar. Você pode ter alguns bons professores e encontrar algumas explicações esclarecedoras sobre conteúdo que vai cair na sua prova. O problema é que, muitas vezes, o direcionamento que eles dão ao aluno realmente deixa a desejar.

Isso não chega a ser um grande problema para um candidato proativo, que monitora constantemente o funcionamento do concurso, e sabe enxergar quando os professores estão simplesmente destoando daquilo que será cobrado na prova – ou mesmo ensinando o conteúdo de um jeito que não ajuda muito o candidato . E não se engane: os cursinhos famosíssimos, que muitas pessoas certamente recomendarão a você nos fóruns, cometem esse erro com uma frequência maior do que gostariam de admitir.

Nessas horas, é essencial que o aluno saiba conduzir os próprios estudos – e isso inclui saber a hora de divergir do plano de aulas que o cursinho lhe entregou. Isso exige bastante “confiança no próprio taco”, mas acredite: é impossível ser aprovado sem ter essa habilidade.

Por sorte, não é tão difícil aprender como fazer isso.

DICA Nº4 – Como decidir o que estudar, e como construir o caminho até a aprovação

Este tópico também nos remete ao item 1 da lista – quando eu disse que você precisa ter cuidado com as orientações ruins que receberá de colegas e professores. Na sua carreira de concurseiro, em algum momento você provavelmente ouvirá o seguinte conselho: “comece pelas matérias básicas, que caem em todos os concursos”.

Eu devo te dizer que esse conselho não é ruim… ele é horrível.

Começar a estudar para concursos públicos com direcionamento e estratégia
Seja sábio ao escolher a direção dos seus estudos

Ok, em uma coisa eles têm razão: é verdade que existem matérias que são muito comumente cobradas em vários concursos diferentes. Porém, não podemos nos esquecer de um detalhe importante: o simples ato de estudar essas matérias em um livro, apostila ou videoaula, seguindo o conteúdo da maneira como ele vier apresentado no material, não te deixará automaticamente preparado para todas as diferentes provas que abordem essas mesmas matérias.

Vou explicar a ideia de forma sucinta: em cada uma das provas de concursos públicos diferentes, a cobrança de uma matéria acontecerá de forma distinta. Portanto, você jamais deve encarar esse desafio de forma “genérica”, pretendendo que o seu estudo sirva para “qualquer concurso” que resolva sair.

Cada uma das provas de concursos tem um perfil diferente. Estudar para todas elas simultaneamente é uma excelente forma de ficar despreparado para todas ao mesmo tempo.

Por isso, é fundamental que você escolha um (ou alguns) concursos, concentre-se neles, e construa uma estratégia de estudo que seja otimizada para aquele(s) tipo(s) de prova.

E qual é a melhor forma de se investigar como funciona a cobrança dos assuntos nos concursos que estão no seu radar?

DICA Nº5 – Assine um site de questões (e aprenda a usá-lo corretamente)

Caso você não saiba, os “sites de questões” são bancos de dados que te permitem acessar centenas de milhares de questões de concursos anteriores. Possivelmente eles são a ferramenta mais importante no arsenal de qualquer concurseiro – e sim, eles são mais importantes do que os livros e apostilas.

Assim como as aulas dos cursos preparatórios, um material escrito também pode ser mal direcionado. Porém, as questões nunca sofrem com esse problema: afinal, elas são formuladas pelas mesmas “mentes” que construirão a prova do seu concurso. Assim, se você quer uma fonte confiável de informações para a sua preparação, aposte nas questões.

Tudo bem, os livros e apostilas também têm um papel importante na sua preparação. Porém, é quase certo que alguns dos seus materiais apresentarão falhas de direcionamento ao longo da sua preparação.

Quando isso acontecer, é fundamental que você saiba identificar o problema; mas você só será capaz de fazer isso se tiver uma boa noção de como as questões do seu concurso funcionam. Quando um aluno não tem esse conhecimento, ele pode acabar passando um ano inteiro estudando sem nenhuma direção…

E depois disso, ele terá dificuldade para entender por que outras pessoas são aprovadas depois de estudarem bem menos que ele. Mas agora você já compreende por que esse tipo de coisa acontece.

As questões de concursos são as protagonistas nos estudos de qualquer candidato aprovado – elas não são um mero “complemento” ou uma forma de “testar” o seu aprendizado. São elas que direcionam os seus estudos, e é essencial aprender a usá-las de forma proativa.

Por isso, resista à tentação de usar as questões somente como um “teste de aprendizado”. Abuse das questões, e permita que elas ajudem a dar o devido direcionamento para os seus estudos. Seu nível de eficiência se multiplicará quando você começar a aprender a fazer isso.

DICA BÔNUS: TREINAMENTO

Nós já falamos sobre diversas descobertas que todo candidato de elite acaba fazendo ao longo de sua preparação. Talvez você já tivesse ideia de algumas delas, ou talvez todas elas sejam novidade.

Contudo, o fato é que descobrir tudo sozinho pode ser uma tarefa e tanto.

Um bom método de estudos não se constrói da noite para o dia, e sempre há detalhes a serem ajustados. Além disso, como vimos ao longo deste artigo, os métodos mais “tradicionais” de estudos sofrem com falhas que podem acabar com o desempenho de qualquer candidato.

Por isso, pense em como seria bom se pudéssemos contar com alguém que, muito além de meramente despejar o conteúdo em cima dos alunos, se dispusesse a realmente ensiná-los o passo-a-passo de um candidato de sucesso…

Pois essa opção já existe. Eu te convido a clicar na imagem abaixo para conhecer, sem nenhum compromisso, o método de aprovação encabeçado pelo meu parceiro Eduardo Gonçalves, um dos maiores especialistas em aprovações em concursos de todo o Brasil. Ele pode te mostrar tudo aquilo que nenhum método “tradicional” mostrará: todas as etapas que um candidato de elite percorre até chegar à aprovação no cargo dos sonhos.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-1.png

Clique na imagem e conheça o método sem compromisso. Mas corra – se as turmas forem preenchidas, você pode precisar entrar na lista de espera.

Conclusão

Estudar para concursos pode parecer uma tarefa intimidante, mas, no fim das contas, seus resultados só dependem de uma boa compreensão de como funciona o processo de preparação – e isso definitivamente está ao seu alcance.

Certamente o início da preparação é um momento importante: começar “com o pé direito” é uma excelente forma de se evitar frustrações desnecessárias, além de resultar em uma enorme economia de tempo, dinheiro e stress.

Neste artigo, eu procurei reunir os pontos mais importantes que eu gostaria que tivessem me avisado quando eu comecei – certamente isso teria facilitado as coisas para mim. Agora você poderá ter um início mais suave na sua jornada.

Te desejo sorte, e conte comigo para te ajudar na sua caminhada.

Bons estudos.

LEIA TAMBÉM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *