Como estudar para concursos com edital aberto (PF, PRF e+)

Reading time: 9 minutes

A reta final de um concurso público é um estágio importante, em que alguns ajustes podem fazer a diferença entre a aprovação e a reprovação. Neste artigo você encontrará algumas orientações para estudar para concursos públicos com o edital aberto.

Como todo bom candidato sabe, os estudos no período pré-edital compõem uma parcela muito importante da preparação para qualquer concurso público. (Clique aqui para ler um guia sobre a preparação para concursos antes da publicação do edital).

Contudo, quando o edital é publicado, algumas coisas mudam. Desse momento em diante, diversos aspectos do concurso, antes misteriosos, passam a ser definidos. A data da prova é revelada, o conteúdo programático é divulgado e… a famigerada banca examinadora é escolhida.

Essas novas informações possuirão alguns impactos na preparação dos melhores candidatos. Vamos entender como isso funciona.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é Adicionar-um-titulo-3-1-1024x576-1.jpg

1) Primeira dica de como estudar para concursos com edital aberto: objetividade total.

Antes de mais nada, é importante esclarecer uma coisa: o estudo para concursos públicos nunca deve ser genérico.

Mesmo antes da publicação do edital, a preparação deve ser feita com foco absoluto no histórico do concurso. Todo processo seletivo tem um perfil, e você deve tê-lo em mente desde o momento em que começa a estudar.

Contudo, quando o edital é publicado, você adquire novas informações sobre a prova que te espera. Logo, chegou o momento de fazer novos ajustes. O primeiro deles é um tanto quanto simples:

Elimine todo e qualquer assunto que não esteja listado no conteúdo programático

Essa “dica” pode parecer bastante óbvia; contudo, como você sabe, algumas vezes o óbvio precisa ser dito.

O período de edital aberto costuma ser breve – normalmente, pouquíssimos meses separam a publicação do edital e o dia da prova. Logo, nesse estágio, o candidato não tem tempo a perder: o que não está no edital não faz parte da sua vida nesse momento.

Isso já nos ajuda a eliminar uma série de temas. Contudo, mesmo quando restringimos nosso foco aos tópicos do edital, a quantidade de informações a serem exploradas continua sendo enorme. É importante que você saiba navegar em meio a todas eles. Vamos aprender a fazer isso.

2) Esqueça “fechar o edital”; foque no perfil da sua prova

Para um excelente candidato, as funções do edital vão pouco além daquela listada no item anterior – ele serve para te mostrar quais são os conteúdos que não caem na sua prova.

Contudo, para explorar as informações que estão no seu edital de concurso, é necessário construir uma estratégia inteligente. E a pior abordagem possível é aquela que tem como prioridade o ato de “fechar o edital”.

estudar para concursos com o edital aberto
Só os melhores sabem navegar dentro do labirinto de conteúdo.

Quando um aluno elege como prioridade “fechar o edital”, ele cria uma armadilha para si mesmo. Um bom aluno nunca elege essa meta como sua principal; caso ele acabe fechando o edital, será por mera consequência da aplicação de sua estratégia. Em outras palavras: fechar o edital é, no máximo, um objetivo secundário.

Qual é, então, a estratégia principal de um candidato aprovado?

Compreenda os assuntos que a sua banca gosta de cobrar

A incidência dos assuntos em uma prova de concurso é absolutamente desbalanceada. Por razões muitas vezes difíceis de entender, o examinador sempre elege alguns temas como seus favoritos – e, se são os favoritos do examinador, você deve conhecê-los como a palma de sua mão.

Essa é a armadilha que derruba muitos candidatos no pós-edital: quando alguém confunde as prioridades e permite que a ânsia por “fechar o edital” se sobreponha a outros objetivos mais importantes.

estudar para concursos com o edital aberto exige estratégia
Clique na imagem para acessar o Instagram do Mapa

Isso acontece, por exemplo, quando o candidato ainda não tem um domínio tão grande de um assunto que é campeão de audiência, mas decide passar adiante porque acredita que precisa fechar o edital.

Tenha cuidado com isso. Uma lista de conteúdo toda grifada de caneta pode nos passar uma falsa sensação de segurança… mas o que nos deixa seguros de verdade para fazer uma prova é o fato de termos uma estrutura de conhecimento sólida, construída de acordo com o perfil de cobrança da nossa banca examinadora. Portanto, concentre-se nisso.

Entenda a forma como a cobrança acontece

Com a banca já definida, o seu estudo poderá adquirir um novo nível de precisão.

Hoje em dia, todo bom candidato utiliza um site de questões. E essa importantíssima ferramenta se torna ainda mais eficiente quando a sua banca examinadora já está escolhida.

Esse é o momento para você “fechar o cerco” em cima das questões de provas passadas.

Mesmo antes do edital, os melhores candidatos já fazem esse processo. A diferença é que, antes de o edital ser publicado, o candidato precisa dividir sua atenção entre bancas examinadoras diferentes.

Porém, uma vez aberto o edital, o foco do concurseiro pode se concentrar em um único estilo de questão.

Isso é extremamente importante, pois o perfil de uma prova de concurso não se resume à frequência das cobranças de cada assunto! As bancas diferem também na maneira como abordam o conteúdo em suas provas. No pós-edital, você tem o privilégio de poder se concentrar em entender a maneira como cada cobrança acontecerá no seu concurso.

É aqui que os materiais poderiam ajudar, mas…

Fique de olho no seu material

Reiterando o que foi dito tópico anterior: “a forma como os assuntos são cobrados deve moldar a maneira como você os estuda”. Aqui, temos um pequeno problema: é que os materiais para concursos disponíveis no mercado nem sempre são confeccionados de modo a facilitar o seu caminho até a aprovação.

Isso não te impedirá de passar no concurso – desde que você seja um candidato proativo. Mas o que significa “ser um candidato proativo”?

Ser proativo ao utilizar um material de concurso envolve não segui-lo cegamente, acreditando que ele contenha todas as instruções de como ser aprovado.

Quando o edital está aberto, você já tem acesso à banca examinadora. Se você souber tirar proveito desse fato, isso te permitirá possuir um olhar muito preciso sobre a forma como a cobrança acontece. E um material só é bom de verdade quando parece ter sido escrito de forma a facilitar a sua preparação para essa cobrança.

E como você vai decidir se isso aconteceu, no caso do seu material? Aqui temos a resposta:

Ao estudar para concursos com edital aberto, foco nas questões

Aqui no Mapa nós sempre dizemos: questões não são para testar conhecimento, mas sim para construir conhecimento. Essa frase possui vários significados diferentes.

Em um pós-edital, nossa prioridade é ganhar tempo. Sendo assim, o principal papel das questões será o de nortear os seus estudos – te indicando para onde a sua atenção deve ir – e também o de te permitir avaliar o nível de eficiência dos seus materiais.

Se você é como a maioria dos alunos, acabará percebendo que nem todo material é o ideal para você. Tudo bem: você sempre terá algumas opções.

A primeira delas será a de simplesmente continuar utilizando o material que tem. Afinal, quando você é um candidato proativo, você jamais se obrigará a ler trechos de conteúdo que não sejam compatíveis com o seu concurso: só porque o autor decidiu “jogar” um certo assunto no seu material, isso não significa que você seja obrigado a ler.

Você também é livre para complementar o seu material com assuntos que sabe serem importantes, mas que o autor do seu livro parece haver negligenciado. Para resumir: o material é um instrumento nas suas mãos. Não é você que tem que obedecê-lo, mas sim o contrário.

Contudo, se o seu material é “rebelde” demais e realmente não colabora para a sua preparação, a melhor medida pode ser a de simplesmente trocá-lo por um melhor. Para isso, procure pesquisar nas redes sociais. Pergunte quais materiais são objetivos e adequados para o seu concurso. Valerá a pena.

Dica bônus: Redação, Contabilidade e Estatística para a Polícia Federal

Os critérios do Mapa ao avaliar os materiais do mercado são extremamente rígidos: aqui, nós não admitimos materiais genéricos.

Por isso mesmo, pensando em você, que tem interesse no concurso da Polícia Federal, queremos te convidar para conhecer o Método QR, que trata especificamente dos assuntos Redação, Contabilidade e Estatística para esse concurso.

estudar para concurso com o edital aberto
Clique na imagem para acessar a página do curso – sem nenhum compromisso!

O método contém 3 cursos, nos quais você vai terá acesso a

  • Material objetivo e otimizado para o seu concurso;
  • As técnicas para fazer uma excelente redação (sem depender de “esqueletos mágicos“);
  • 50 temas para praticar a redação;
  • Parâmetros de correção com base na banca CEBRASPE (CESPE);
  • 20 temas inéditos;
  • 11 videoaulas de Contabilidade para te ensinar de forma definitiva, com aula de resolução de questões;
  • Curso completo de estatística (39 aulas), também com aula de resolução de questões.

Você ainda terá direito a 7 dias de garantia de satisfação – se não gostar, basta dar um clique e seu dinheiro será devolvido sem questionamentos.

Clique aqui para conhecer, sem compromisso, a página do treinamento Método QR para o concurso da Polícia Federal 2021.

Conclusão

O pós-edital produz algumas mudanças sutis na preparação de um candidato, embora o período pré-edital também deva ser conduzido com razoável especificidade.

Com o edital do concurso aberto, é importante evitar algumas armadilhas que costumam vitimar a maioria dos candidato. Isso permitirá que você use esse período para fazer os ajustes finais que trarão a sua aprovação no concurso que você desejar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *